Portal da Cidade Registro

Agronegócio

Projeto lança catálogo de plantas melíferas do Vale do Ribeira

Projeto lança catálogo de plantas melíferas do Vale do Ribeira Publicação apresenta 40 espécies que fornecem néctar para a produção de mel

Publicado em 11/11/2022 às 11:45
Atualizado em

Apicultores da Apivale (Associação dos Apicultores do Vale do Ribeira) passaram a contar com um catálogo que apresenta 40 espécies de árvores e arbustos abundantes na região, e um calendário floral de todas elas. A publicação é uma ferramenta que auxiliará no planejamento, contribuindo na identificação dos melhores períodos de safra para produtos apícolas. O material foi produzido pela Ambiens Jr. – empresa júnior de consultoria e soluções ambientais do curso de Ciências Biológicas da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR) - Campus Sorocaba, em parceria com o Legado das Águas – maior reserva privada de Mata Atlântica do país –, por meio do projeto Mel do Vale, edição 2022.

Além dos apicultores da Apivale, o material em versão digital, lançado recentemente, está disponível para download gratuito clicando aqui.

De acordo com a universitária Bianca Cristina de Oliveira, integrante da Ambiens Jr. e coordenadora do Projeto Mel do Vale na Edição 2022, o catálogo reúne o potencial da flora local que fornece néctar para a produção de mel pela abelha Apis mellifera. O conteúdo foi elaborado a partir de levantamentos florísticos dos Parques Estaduais Jurupará, Intervales, Turístico do Alto Ribeira (PETAR) e Carlos Botelho, assim como do Legado das Águas. O critério, segundo Bianca, foi incluir as espécies que aparecem em pelo menos três dos parques.

São plantas como a guaçatonga-preta, pau-pólvora e sangue-de-dragão, com floradas durante a maior parte do ano, que aparecem ao lado de outras com poucos meses de floração, como candeia, café-do-mato e olho-de-cabra. O material também destaca características das abelhas nativas, de espécies como a jataí, mandaguari, borá e mandaçaia.

A coordenadora explica que o material poderá ser utilizado pelos apicultores para melhorar a produtividade da associação e otimizar recursos. “Os apicultores têm muito conhecimento prático sobre a produção de mel. A nossa contribuição foi apoiá-los com a ciência e profissionalização, fortalecendo o grande potencial que associação tem de expandir sua produção. O catálogo com o calendário é resultado dessa soma. Agora, eles podem se programar para comprar o alimento e fazer manutenções dos equipamentos em épocas de menos florada, por exemplo”, complementa.

Bianca também diz que o material pode contribuir para a valorização da flora local. “O Vale do Ribeira está inserido no maior e mais bem preservado contínuo de Mata Atlântica do país, com uma enorme variedade de espécies, o que favorece diferentes atividades produtivas sustentáveis, como a apicultura. No material, reunimos essas informações de modo que valorize a flora e, ao mesmo tempo, favoreça a produção de produtos apícolas”, disse a estudante.

Parceria fortalecida

O trabalho da nova fase do Mel do Vale também englobou a confecção de uma cartilha, elaborada a partir de entrevistas realizadas com os produtores.

O material contém informações relacionadas à importância das abelhas e da polinização, em diferentes âmbitos da sociedade e da natureza, como conservação e economia, assim como valoriza o papel dos apicultores, com a elaboração de atividades de integração entre o manejo de abelhas com o meio ambiente. A intenção é que o material seja replicado pela associação, divulgando os benefícios conservacionistas da apicultura, ser útil para apresentar o trabalho deles a proprietários de terras com quem podem fazer parcerias para produção de mel, mostrando os benefícios, já que muitos deles não possuem terras próprias para a instalação das caixas para colmeias.

De acordo com Daniela Gerdenits, gerente do Legado das Águas, o Projeto Mel do Vale é uma complementação ao trabalho já finalizado em 2021, realizado por meio do programa Redes Para o Desenvolvimento Sustentável (ReDes), em parceria com o Instituto Votorantim e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). O objetivo da iniciativa foi de contribuir com geração de renda e desenvolvimento aos produtores da região.

Para Daniela, o Projeto Mel do Vale, em parceria com a Ambiens Jr., trouxe benefícios para todos. “É uma relação de ganha-ganha. Aos estudantes, foi uma oportunidade para realizar atividades práticas impactantes para o portfólio deles. Já aos apicultores, novos conhecimentos e ferramentas que podem gerar benefícios diretos na produtividade e crescimento da associação. Para o Legado das Águas foi uma forma de fortalecer o nosso relacionamento com os apicultores, diversificando as formas de apoio”, comemora a gerente.

O Legado das Águas e a Ambiens Jr. também desenvolvem outros projetos em parceria, como o “Aves do Vale do Ribeira” e “Protetores da Floresta”.

Uma nova história para a apicultura da região

Joaquim Coelho Filho, presidente da Apivale, lembrou que a parceria, iniciada em 2017 com o Legado das Águas transformou a história da Apivale. “Naquela época, a Casa do Mel estava em situação precária e não tínhamos condições de reformá-la. O apoio alavancou a produção e venda de mel, além de abrir portas para outras parcerias, com a prefeitura e o Sebrae”, disse o apicultor, referindo-se ao Programa ReDes, em que a associação recebeu apoio para melhorar a infraestrutura da associação, além de apoio técnico e insumos.

Segundo ele, essa nova iniciativa traz mais motivação para o grupo. “O catálogo nos incentiva ainda mais a buscar novos mercados, apresentar essas informações a proprietários de terrenos para fazermos parcerias, pois muitos apicultores não têm sua própria área para produzir. Só temos a agradecer essa ajuda”, finaliza Filho.

No ano passado, a associação atingiu o recorde de produção, com 14 toneladas de mel silvestre, e, agora, o grande objetivo da associação é obter o selo do SISP (Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal), do governo do estado de São Paulo, abrindo a perspectiva de participar de concorrências públicas para venda de mel e ampliando a geração de renda.

Fonte:

Receba as notícias de Registro no seu WhatsApp.
Clique aqui, é gratis!

Deixe seu comentário